MEMÓRIAS: E quem não se lembra do saudoso Comercial de ST e as estrelas que pisaram no gramado do “Pereirão”

Paulo César Gomes é professor e escritor

                                Capa e contra capa do livro COMERCIAL: UM CLUBE IMORTAL (2015)

O Comercial Esporte Clube (CEC) foi  fundado  em 13  de  maio de 1966,  com sede na Praça Barão do Pajeú e depois na Rua Jancinto Alves da Silveira, 424, em  Serra Talhada, no mesmo período em que estava sendo construído o estádio municipal Nildo Pereira  de Menezes, O Pereirão. O alvirrubro  (branco e  vermelho)  do  sertão iniciou suas atividades esportiva como time amador, durante essa fase o ARCA, time mantido por  alguns  comerciantes  da  cidade,  foi  o  seu  grande  rival.  Somente  em  1979  o  clube passou a ser profissional.

Sua primeira grande competição foi o Torneio Início, o que corresponde a atual segunda divisão  (Série A2)  do  estado,  onde  sagrou-se  vice-campeão. A  conquista  garantiu  ao clube  o  direito  de  disputar  a  Primeira  Divisão  do Campeonato  Pernambucano  do  ano seguinte.

A  estréia  na  “primeirona”  foi  marcada  por  uma  grande  surpresa,  pois  o  Comercial conseguiu arrancar um empate contra o Náutico de 1×1 dentro dos Aflitos, a partida foi realizada  no  dia 7  de junho de 1980  e  o  gol  sertanejo  foi  marcado  pelo  meio  campista Gula.  Segundo  o  ex-jogador  esse  foi  um  dos  gols  mais  bonito  de  sua  carreira.  Nesse jogo  o  comercial  jogou  com  a  seguinte  formação:  Edson  (goleiro),  Jorge,  Gilmar, Surrão,  Douglas,  Gula, Mimi,  Toninho,  Têles,  Paulo Moura  e  Agnaldo,  o técnico  era Sostênes.

O  Comercial  ainda  disputou  mais  três  temporadas  na  2ª  divisão,  porém,  em  1983 o  clube  fechou  as  portas  para  a  tristeza  de  muitos  desportistas  da  região  do  Pajeú. Infelizmente,  o  Comercial  deixou  de  disputar  o  Campeonato  Pernambucano  de  1983 por  questões  política, já  que  com  o termino  do mandato  do  prefeito  Hildo  Pereira  (já falecido), irmão do ex-prefeito Nildo Pereira, o sucessor não quis mais apoiar o clube. Outro  fato lamentável  que  ocorreu  nesse mesmo  ano  foi  a morte  de Egídio Tôrres  de Carvalho,  um  dos maiores incentivadores  do Comercial  e  do  futebol  amador  de  Serra Talhada.

 

OS PERSONAGENS FAMOSOS: Jogadores e desportistas que pisaram no no gramado do “Pereirão”

ARNAUD RODRIGUES E EGÍDIO TORRES DE CARVALHO PRESTIGIAM JOGO DO COMERCIAL (Os primeiros agachados, da direita para a esquerda)

O  Comercial  possui  um  história  curta  como  time  profissional,  no  entanto,  ela  é extremamente  marcante  e  cheias  de  personagens  importantes  que  acabaram  sendo esquecidos  pela  história  oficial.  No  entanto,  alguns  famosos  que  passaram  pelo  clube ainda  são lembrados.  Um  desses  famosos foi  o jogador  Fio Maravilha,  o  mesmo  que o  cantor Jorge Ben  Jor homenageou  com  uma canção  homônima,  que  vestiu  a  camisa do clube em dois amistosos durante uma rápida passagem de férias pela cidade. Outro grande nome do futebol a passar pelo time sertanejo foi o técnico Zequinha, que como jogador se destacou jogando no Santa Cruz e no Palmeiras, além de ter sido bi-campeão mundial com a Seleção brasileira no Chile, em 1962.

FIO MARAVILHA VESTINDO A CAMISA DO COMERCIAL

Um dos maiores fãs e admiradores do Comercial foi o multi artista Arnaud Rodrigues. Quando estava na cidade, artista era presença certa no estádio “O Pereira”, sua paixão foi tão intensa que ele acabou expressando esse sentimento na letra do hino que fez para o alvirubro.

GULA, O PEQUENO NOTÁVEL

Um  dos  grandes  nomes  do  Comercial  foi  João  Mariano  da  Silva,  ou  simplesmente, Gula,  um  baixinho  de  toque  refinado,  desfilou  seu  futebol  pelos  gramados  de Pernambuco, Alagoas, Bahia e Ceará. Em mais de vinte anos de futebol só foi expulso uma vez, já no final da carreira quando jogou pelo Serrano no campeonato da Segunda Divisão em 1996, em uma partida contra o Porto em Caruaru. Segundo ele não houve maldade na jogada, mas “o juiz era caseiro” e preferiu prejudicar o time visitante.

Mesmo  com  uma  longa  história  no  futebol,  Gula  fala  com  orgulho  da  sua  passagem pelo  Comercial, time  pelo  qual  começou  como juvenil,  e  depois  foi  contratado  como profissional.  “Não  existiu  torcida  mais  animada  do  que  a  do  comercial.  Nenhuma torcida  (Ferroviário,  Serrano  e  Serra  Talhada)  conseguiu  superar  a  do  Comercial” desabafa  o  ex-jogador.

Primeiro contrato de Gula como jogador profissional pelo Comercial

Entre  os  jogos  mais  marcantes  da  sua  vida  Gula  destaca  o primeiro jogo contra o Náutico, quando fez o gol de empate, e quando C.E.C. enfrentou a seleção pernambucana e venceu por 2 x 1, nessa partida ele fez os dois gols. Por toda a sua humildade, solidariedade e dedicação ao futebol e ao Comercial, Gula é considerado por muitos como um dos maiores jogadores da sua geração.

Caros amigos (as) faroleiros (as), esse é um pequeno resumo do meu mais novo trabalho de pesquisa que será publicado em 2014. Em breve estarei entrevistando ex-jogadores como  Colorado,  Paulo  Moura,  Mimi,  Surrão,  Bria,  Nêgo,  Gilmar,  Beto  e  outros importantes  personagens  dessa  belíssima  história. Aos interessados em contribuir com esse trabalho e que queiram enviar depoimentos, fotos ou recortes de jornais é só entrar em contato pelo e-mail pcgomes-st@bol.com.br. Um forte abraço a todos e a todas e até a próxima!

Hino do Comercial:

Deixe seu comentário